sábado, 29 de novembro de 2008

Ai o VERÃO!!!!

Para os que leram o título e acharam que eu estava reclamando estão enganados. Amo o verão!

Gosto muito de estar dentro da água, pegar um sol, andar sem sapatos, com roupas leves, tudo que pode ser feito no verão. Acordo mais disposta, durmo menos. Acho que a sensação que eu tenho com o calor tem todo um aspecto psicológico, já que associo calor com férias, tempo livre, passeios, mais gente em volta!

Depois de trabalhar todo o final de semana passada e então ficar duas semanas inteiras sem uma folga, estou aproveitando esse final de semana como nunca. Coisa boa ter tempo para simplesmente ficar observando as plantas do pátio, que por sinal estão lindas e enormes e a correria do dia a dia nem tinha deixado eu perceber isso.

Ontem a tarde estava de folga, e aproveitei tanto. Molhei as plantas, fiquei na piscina, li, coisas simples mas que fazem uma falta. Uma tarde dessas desacelara o organismo e faz um bem enorme, renova a pessoa, principalmente nessa época de final de ano, na qual todo mundo está a mil, que tudo tem que acontecer com pressa, tudo tem que ser terminado, e tem que ser feito muitas coisas que não foram feitas durante o ano todo.

Voltando ao assunto anterior folga, aqui umas fotos que o tempo livre me permitiram tirar:


Então, conselho a todos, curtam o final de semana, aproveitem o verão na sua plenitude e não esqueçam do protetor solar, porque ontem eu "achei" que não precisava e fiquei um pouco vermelhinha!

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Acabei de receber a visita da minha amiga Sara com seu filho Gustavo, de dez meses. Adorei acompanhar a gravidez da Sara, pois foi minha primeira amiga a ficar grávida. Tão bom ver o início de uma vida passo a passo, esses dias estava apagando as mensagens do meu celular, mas sempre deixo a que ela me mandou do médico dizendo que era um menino. Foi a primeira vez que fui num hospital esperar que uma criança nascesse, que eu segurei um recém nascido no colo, que eu fiz um chá de bebê. Então é tão bom ver que ele é uma pessoinha já, muito esperto, simpático e com personalidade.

Ontem a Sara me ligou e disse que ele estava começando a caminhar. Imaginei que era um inicio de caminhada mesmo, mas que nada. Ele já está caminhando, é bem pequeninho e já se movimenta muito, cai depois de uns quatro cinco passos, se segurando ou engatinhando já vai muito longe. E parece que foi ontem que eu recebi a mensagem da Sara.

Observando o crescimento de crianças a gente percebe bem o passar do tempo. Me lembro no Natal passado a Sara de barrigão e agora vendo que já terei um parceiro para piscina, não tenho como não ficar encantada.

*************************************************************************

E falando em Natal, ontem estive em alguns abrigos de Pelotas, recolhendo pedidos de Natal para tentar com a ajuda de várias pessoas realizar os possíveis. Tiveram os que eu já esperava como a volta para a casa, mas alguns me chamaram a atenção: um menino deseja uma mochila cheia de material escolar, já pensando no ano letivo do ano que vem (ele tem 12 anos e escreve com dificuldade, tivemos que ajudar ele a escrever o pedido), outro um par de pilhas recarregáveis e uns que moram num abrigo em que há falta de roupas, disseram que só precisavam de camisetas e bermudas. Amanhã recebo as “cartinhas” de mais três abrigos, já estou curiosa para saber os pedidos.


*************************************************************************

Lendo uma crônica da Martha Medeiros hoje, achei uma frase que gostei muito, e que é totalmente pertinente ao momento atual:

“(...) Ou a gente estende a mão para o tal próximo, ou o próximo vai continuar exigindo o dele com uma faca apontada pra nossa garganta. Esperar alguma atitude vinda de Brasília? Aqueles não são os próximos, aqueles são os cada vez mais distantes (...)”.

domingo, 23 de novembro de 2008

Animais X crianças

Ainda na campanha contra a violência doméstica contra crianças e adolescentes , um vídeo sobre o tema muito bonito e que realmente sensibiliza. Vale a pena assistir e divulgar.

video

sábado, 22 de novembro de 2008

Distâncias

Tem gente que acha que a distância física entre duas pessoas impossibilita relações, mas eu não acho isso. Algumas vezes convivemos todos os dias com uma pessoa, como acontece com colegas de trabalho, e a proximidade não existe, havendo um simples contato diário. Ao mesmo tempo, existem aquelas pessoas que a gente pouco vê, mas que consegue manter proximidade, intimidade e carinho. Estou vivendo um período em que várias das minhas grandes amigas estão morando longe e estou vendo que é quando a relação é forte a distância não interfe nela, nem um pouquinho. O único problema é que dá saudades, mas que também são boas por um único motivo, quer coisa melhor do que matar saudades?

Mas, na verdade, comecei a falar em distâncias para parabenizar uma amiga, a Renata, que amanhã está de aniversário e que está do outro lado do oceano. Amiga que nunca esteve tão longe fisicamente e ao mesmo tempo tão perto.

Renata, já que costumas ler meu blog vou te deixar aqui meus maiores e melhores desejos de felicidades para ti, pois mereces muito. Que tenhas uma vida repleta de vivências boas, amigos, amores, sucessos e tudo mais que desejares. Curto muito os teus sucessos e tuas conquistas.

Abaixo uma foto dela em Paris. Nem acredito que daqui a pouco tempo estarei passeando por ali com ela!

Rê, me espera que logo eu chego. Um super abraço especial pelo aniversário! Te adoro!

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Violência Infantil


Descobri no Roccana que hoje é o dia mundial da prevenção da violência doméstica contra crianças e adolescentes. Embora saiba que estabelecer um dia especial para prevenção de um problema sério como esse não seja uma medida eficaz, acredito que sempre ao se abordar um assunto, criar discussões e proporcionar um maior pensar sobre ele é válido, mesmo que seja só por um dia, desde que dessas discussões surjam frutos para serem desenvolvidos nos demais dias do ano.
Quanto a violência doméstica contra adolescentes e crianças infelizmente tenho muito a dizer, pois convivo muito de perto com vítimas que sofreram ou ainda sofrem violência doméstica.
A frase contida na figura acima é muito branda - Lei Seca Contra a Palmada - porque antes estivesse a violência doméstica apenas nesse patamar.
Atualmente a violência contra crianças e adolescentes não se restringe a palmadas, pois infelizmente é comum existir agressores dentro do próprio lar que praticam violência sexual, psicológica, maus-tratos graves, torturas, negligências, contra as próprias pessoas que deveriam proteger.
Além de ser um ato totalmente covarde do ser humano que o pratica, podemos perceber que o ser humano está com seus valores distorcidos, que não consegue simplesmente seguir seu extinto de proteger "as crias" assim como qualquer outro animal faz.
As consequências advindas dessas práticas são muitas, os sintomas que crianças e adolescentes violentados passam a apresentar são vários e graves, já que nessa fase da vida, onde a personalidade está em formação, a violência proveniente de pessoas que deveriam ter função protetiva, traz disturbios ao desenvolvimento normal do ser humano.
Importante mencionar que além de todo o sofrimento que um ato de violência traz, ela comumente acarreta um círculo vicioso, pois não raro a vítima ao crescer passa a agressor, devendo então a tal tipo de violência ser evitada de todas as formas e com todos os esforços, pois inegáveis os prejuízos e sofrimentos trazidos por essa prática.
Embora tenha mencionado as facetas mais graves da violência doméstica, não posso deixar de considerar que a palmada é um ato de violência também. Pois ela é aquela que os pais acham que possuem o direito de utilizar, que não faz mal, que é para o bem do filho, porém a palmada muitas vezes é usada de forma desmoderada, sem necessidade, além de ser um princípio de atos de violência dentro da família, os quais podem evoluir para situações graves.
Essas palavras são de quem já segurou no colo um bebê de onze meses com o rosto totalmente tomado por hematomas, ocasionados por um "lançamento" dele contra a parede, de quem conhece meninas pequenas que tentam levar uma vida normal depois de um abuso sexual, mas que ficam "marcadas" para sempre, de quem olha no olho e escuta crianças e jovens falando que não querem voltar para a casa, mesmo sendo ruim morar para sempre num abrigo, pois se lembram do quanto sofriam em casa, de quem hoje convive muito com adolescentes abrigados e que sabe que as consequências são diferentes em cada um, mas que são para sempre.

domingo, 16 de novembro de 2008

Ensemble, C’est tout!


Acabei de assistir o filme francês Ensemble, C’est Tout e adorei. Trata-se da história de quatro personagens que quando passam a conviver têm suas vidas transformadas.

Chama atenção o filme por inúmeros elementos: os cenários belíssimos, os atores (Audrey Tautou, a eterna Amélie, e um que eu não conhecia, Laurent Stocker, estão fantásticos) e pelos temas que trata. É uma história sobre amizade, solidariedade, relações pessoais, convivência, que fala desses temas de uma maneira toda especial.

Resolvi procurar comentários sobre o filme e num deles tem uma frase interessante, diz que o filme tem seu verdadeiro valor “primeiro, porque é sobretudo um filme sobre amizades improváveis; segundo, porque as personagens são bem mais terrenas e simples que as habituais e as suas dificuldades perfeitamente quotidianas”.

O título é perfeito, não sei qual foi o dado para ele em português, mas fazendo uma tradução ao pé da letra Ensemble, C’est Tout = Juntos, é tudo, tem muita relação com o filme, além de ser uma frase que não há como dicordar dela.

Pelo menos eu tenho a convicção de que se as pessoas se dessem mais conta disso e deixassem o egoísmo e o individualismo de lado, convivessem mais e fossem mais solidárias tudo seria tão melhor, tão mais fácil.

sábado, 15 de novembro de 2008

Conversas de Crianças I

Conversar com criança é fantástico, muitas pessoas acham bobagem, mas eu que convivo bastante com elas e afirmo que é maravilhoso. No mínimo é muito divertido, além de aprendermos e nos renovarmos bastante com elas, muitas vezes me fazem refletir, com a simplicidade de que tratam as coisas e ao mesmo tempo com tanta sensibilidade.
Essa semana eu estava falando sobre profissões para meus alunos que possuem entre 3 e 5 anos.
Iniciei perguntando o que eles entendiam por profissão e depois de uns segundos pensativos um deles respondeu:
-É algo que as crianças fazem quando viram grandes.
O assunto continuou e perguntei então a cada um o que eles pretendiam ser quando crescer e recebi várias respostas: médico, bombeiro, polícia, pintor de quadros...
Quando perguntei para o último menino, que tem três anos, ele respondeu:
- Eu vou ser Power Rangers, ou então Super Homem (o mais incrivel é que nenhuma das outras crianças estranhou a resposta e disse que isso não era profissão).

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Fotos Lançamento








Feira do Livro

Estou tão feliz!
Adorei a função do lançamento na Feira do Livro, muito boa!
A Feira do Livro de Pelotas continua a mesma, não tem grandes mudanças não, mas tem alguma coisa nela que me encanta, por mim ficava horas nela, olhando os títulos, passeando, acho que a praça nessa época do ano fica muito aconchegante, tenho mais segurança e motivos para frequentá-la. Embora não haja nada de extraordinário, acho que ela tem um clima bom. Me lembro de quando fui lá com uns dez anos, comprar uns livros da Coleção Vagalume, como se fosse ontem, e ela continua muito parecida, e desde aquela época me sinto muito bem lá.
O tempo passou, e desde o ano passado, acho que em razão do incentivo a leitura proporcionada pelo meus pais, que desde pequena me incentivam (me davam livros, me levavam na Feira) participo dessa parte toda especial dá Feira que é o lançamento de um livro.
Sabem aquela frase, (...) escrever um livro, plantar uma árvore, ter um filho (...), o filho é um desejo forte que virá no tempo certo, na hora certa, por adoção ou biológico, tanto faz, mas virá. A árvore é fácil de resolver, já que meu pai é dono de floricultura é moro num lugar com muito espaço para plantar, mas quem sabe planto minha primeira árvora num pátio de uma futura casa? Sabe-se lá, mas de qualquer forma é algo fácil de fazer. Quanto ao escrever vou considerar dois artigos suficientes, então pelo menos um dos três itens está alcançado.
Bom, seguindo o assunto, o lançamento foi ótimo, os amigos e parentes que comparecendo me deixaram muito bem, muito feliz .
Quando estava com preguiça de escrever o artigo, me sentia num desenho animado, com um diabinho do lado perguntando: Por que estás perdendo tempo com isso? Já tens mil coisa para fazer, para que inventar mais isso? E ao mesmo tempo tinha um anjinho dizendo que eu já estava fazendo o monografia que era do mesmo tema, que nem era muito trabalho e que eu iria curtir tanto o lançamento, que então devia escrever.
Realmente curti muito, os carinhos, as atenções, os elogios. Agradeço a cada presença no lançamento, a cada mensagem no celular, no Orkut.
Os livros acabaram na Feira, muita gente ficou sem. Está certo que vendemos um número considerável, mas também a Editora podia ter editado mais livros, não confiaram tanto no nosso poder de venda, e no fim ficou bem para nós, pois esgotamos os livros, mas muita gente ficou sem comprar, uns quantos conhecidos meus, mas paciência, não prejudicou o lançamentou, e logo vão editar mais cem. Autor desconhecido é assim mesmo, edições de 100 em 100 números, para não fazer a Editora perder dinheiro.
Quanto às presenças, agradeço mesmo a todos que foram. É bom porque nessas horas os amigos que as vezes a gente não procura tanto quanto devia, ou os que não nos procuram, acabam por mandar pelo menos alguma notícia depois de um convite, ou aparecem por lá.
Outra coisa especial nesse dia foi a companhia da minha amiga Carol, que foi lá me prestigiar, uma amiga fora do normal, muito especial, e que acabo não vendo por muito tempo, e que quando vejo fico impressionada e tenho certeza do que é uma amizade verdadeira, pois é incrível como duas pessoas que não se falam por meses ao se encontrarem se tratam e se sentem como se tivessem visto ontem, com muito o que falar, contar, com intimidade suficiente e com confiança na outra. São fantásticas e essenciais amizades assim!
Bom, acima as fotos dão idéia do clima de um fim de tarde todo especial para mim.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Tempo

O final de semana chegou ao fim, e de forma muita rápida, estou espantada com a rapidez com que meus finais de semanas estão passando. Faço mil planos para eles, mas só consigo realizar alguns. Está certo que, se eu parar para contabilizar, fiz mil coisas, teve a música, compras, aniversário, deu para ver algumas amigas, a minha afilhada (e ela foi só ver mesmo, porque nos dois momentos ela estava dormindo, então deu só para ficar obsevando, nada de interações), churrasco com a família, idas ao Laranjal, jogo na televisão, lanches, rendeu mesmo, mas foi tudo muito rápido! Mas mesmo assim, ou em razão disso mesmo, parece que há segundos atrás era sexta-feira.
A sensação que tenho é que o tempo acelerou.
Fiz tanta coisa, mas precisava de mais uns dois dias de finais de semana pelo menos, pois meu quarto segue precisando de uma arrumação urgente, tenho duas petições para fazer, queria ter lido algumas coisas...
Melhor eu parar de reclamar, pois pelo menos amanhã demanhã tenho folga, posso aproveitar umas últimas horinhas de descanso.

Mario Quintana com seu humor peculiar e sua irreverência definiu:
“Tempo – Coisa que acaba de deixar a querida leitora um pouco mais velha ao chegar ao fim desta linha”.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Ontem quando pensava nas duas noites que eu teria que passar trabalhando nas oficinas de preparação de padrinhos para o apadrinhamento afetivo me deu uma preguiça, uma vontade de ficar em casa, mas não tinha o que fazer, tinha que fazer minha parte como participante da Comissão do Programa.
No momento acabo de chegar das oficinas, que terminaram agora a pouco, vejo o quanto foi bom ter ido, mesmo que um pouco a contra gosto, pois valeu a pena, os palestrantes muito bons, os depoimentos dos padrinhos muito emocionantes e o pessoal muito receptivo. O encontro terminou com uma parte de um poema da Cora Carolina:

"(...) Muitas vezes basta ser:
Colo que acolhe,
Braço que envolve,
Palavra que conforta,
Silêncio que respeita,
Alegria que contagia,
Lágrima que corre,
Olhar que acaricia,
Desejo que sacia,
Amor que promove(...)"

Simples a mensagem, verdadeira e totalmente adequada a situação das oficinas.

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Livro



Hoje estou curtindo uma das melhores coisas em escrever um livro (no caso, um artigo para um livro), a preparação para o lançamento. É bom fazer os convites, principalmente quando eles são recebidos com entusiasmo e com palavras incentivadoras.
Então resolvi aproveitar a oportunidade para apresentar a capa do livro e convidá-los para o lançamento.
Local: Feira do Livro
Dia: 11 de novembro (terça-feira)
Hora: 18:00

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Iniciando

Ontem tinha que terminar minha monografia da pós, e sabe quando se tem que fazer algo e então tudo que se quer é fazer uma outra coisa. A curiosidade fica aguçada, e a cada minuto me lembro de algo interessantíssimo para ver ou fazer. Tive que segurar as minhas vontades e hoje, finalmente, terminei meu trabalho de conclusão de curso da pós, estou aliviada, quilos mais leve.
Quando estava tentando concentrar meus pensamentos no trabalho, a idéia do blog que estava guardada há tempos na minha cabeça foi despertada (acho que porque era o pior dia para isso).
Há algum tempo penso em dedicar um pouquinho do meu tempo para manter um blog, mas sempre ficava pensando que não teria assunto para mantê-lo sempre atualizado, mas agora deu vontade por dois motivos.
Primeiro a idéia vem se solidificando em razão da minha futura viagem, todos os que ficam sabendo que vou viajar dizem que querem saber tudo, ver as fotos, receber e-mails, e ai comecei a pensar em como poderia deixar todos os amigos informados, já que mandar e-mails para todos diariamente ou regularmente é inviável.
O segundo é que agora, pensando bem, acho que tenho assuntos suficientes para postar num blog regularmente, afinal comunicativa sou bastante, e ando fazendo mil coisas ao mesmo tempo, o que acho que dará origem a muitas postagens.
Bom, resumindo, aqui está uma primeira postagem, a explicação do porque iniciar um blog.
Os leitores encontrarão aqui reflexões e devaneios sobre os mais variados temas, fotos e muito da Clarissa que vos escreve.
Acho que temas como Infância e Juventude, Promotoria, Crianças, Amigos, Família, Projetos, Livros, Música, Filmes e Viagens deverão ser assuntos muito encontrados por aqui.
Fica aqui a promessa de, dentro do possível, ir contando o dia a dia de uma viagem dos sonhos, que ocorrerá no início do ano que vem.
Sejam bem vindos e fiquem a vontade!

PS: escrevi o texto no Word e agora vou ter que aprender muita coisa sobre blogs. Não sei não, mas, qualquer coisa, vou recorrer a Ana e a Lídia, que são mais experientes no assunto.