terça-feira, 30 de junho de 2009

Crescer

Crescer é sempre bom.
Ver as pessoas crescerem é ótimo.
E é bom quando a gente consegue ver o nosso próprio crescimento.
Há algum tempo atrás não conseguia ler coisas que eu tinha escrito, pois achava tudo uma bobagem. Mesmo que tivesse escrito há apenas algumas semanas atrás.
Meus cadernos antigos eu pegava e achava horríveis os erros de português que eu cometia.
Hoje as coisas não são bem assim, consigo ver crescimento ao achar os erros nas coisas que eu escrevia normal, rir de diários da minha adolescência e achar que foi ótimo não tê-los queimados todos na fase em que eu os achei ridículos.
Hoje reli bastante coisas do meu blog, e me diverti. Coisa bem boa reler a viagem, os comentários. Outro sinal de crescimento, não estou tão crítica comigo mesmo.

Tem outras coisas mais palpáveis que fazem ver que a gente cresceu e não só envelheceu. Na segunda-feira quando estava a minha frase como a frase da página dois do Diário Popular foi uma dessas situações.


Dá vontade de corrigir várias coisas que já escrevi, passar a limpo os cadernos, escrever no lado das páginas do diário, conselhos para a adolescente Clarissa da Clarissa já com 27 anos, mas, pensando bem, nada disso precisa de ERRATA, pois tudo é questão de fase, e tudo sinal de evolução.

Porém existem algumas ERRATAS necessárias. Nos dois dias seguidos (domingo e segunda) saiu no DP, como se eu fosse assessora jurídica judiciária. Embora muitos não saibam, eu seria se trabalhasse para o Judiciário, mas como trabalho no MP sou assessora jurídica voluntária do Ministério Público, e não judiciária, sei que é uma diferença sutil, mas para quem trabalha no MP e sabe o quanto as suas funções e atribuições são diferentes, prefere não ser confundido.

A propósito, a gripe está passando aos poucos, e já estou me sentindo bem melhor, acho que logo volto as minhas atividades normais. Ainda bem, não estou aguentando mais tanto tempo em casa.

CRACK

O CRACK vem tomando conta das cidades.

Pelotas, que até há pouco tempo podia ser considerada uma cidade tranquila, hoje não possui mais esta característica, casas são arrombadas, há furtos e roubos diários, além de inúmeros casos sérios de violência ligados ao uso de drogas, mais comumente o CRACK. Segundo a Zero Hora, a cidade de Pelotas tem pelo menos 7 mil dependentes da droga.

Faz quase cinco anos que eu trabalho na Promotoria da Infância e Juventude e quando comecei a atender lá, atendia alguns “garotos viciados”, mas eles eram viciados em maconha, tinner, loló...

Hoje quase 100% dos usuários usam o CRACK, que é utilizado não só por garotos e sim por mulheres, crianças, senhoras, senhores, adolescentes, e é devastador.

Lendo o livro Juventude & Drogas: Anjos Caídos, de Içami Tiba, que explica um pouco como agem as drogas, quais as consequências do uso delas, e quais os efeitos que elas trazem para o corpo e a mente humana, eu fico impressionada em como alguém tem coragem de usá-las, pois são verdadeiros venenos e fico pensando em como alguém em busca de prazer pode se submeter a elas. Fico pensando se é falta de informação, e pensando que todo mundo tinha que ter esse conhecimento.

Mas, depois de pensar que essas informações devem ser espalhadas, “caio” na realidade e me lembro dos adolescentes que são atendidos pela Promotoria da Infância e Juventude em Pelotas, que são provenientes das periferias da cidade.

No início do já mencionado livro há a seguinte frase: “Quem é feliz não usa drogas...”, concordo e percebo que a questão da droga não é questão de educação ou informação, pois ela é decorrente de uma desestruturação da sociedade, onde na maioria das vezes a instituição família não está cumprindo seu papel. A maioria de adolescentes pobres usuários de CRACK, provém de famílias desorganizadas e em muitas delas há ausência da figura paterna, o que aumenta a vulnerabilidade social.

Pode estar faltando combate aos traficantes, pode estar faltando educação de qualidade, tratamento adequado, mas com certeza, a “falta” que mais está influenciando é a de política pública no sentido de organização e planejamento familiar, pois são as famílias as responsáveis pela formação do individuo. Jovens sem base familiar e sem perspectiva de um futuro são pessoas infelizes e que vão pagar qualquer preço pela “felicidade” e pelo “prazer” mesmo que eles sejam falsos e custem muito caro.
Baixa auto-estima, problemas de aprendizagem, desistência escolar, miséria, falta de amor e do "fazer" são características comuns a centenas dos adolescentes pelotenses usuários de CRACK.
O problema é enorme, dificil de reverter e o pior é que quem acaba pagando o alto preço não são só os usuários, e sim toda a sociedade.

domingo, 28 de junho de 2009

Que gripe!

Estou aqui, com uma baita gripe, há dois dias na cama.
Que droga! Justo nesse final de semana que eu tinha três festas.

Parada aqui, nos momentos em que não estou tomada pelo mal-estar e pela febre, fico aqui imaginando tudo que está acontecendo lá fora. Escuto os barulhos das pessoas comemorando gols, ontem à noite o barulho dos carros voltando de festas, escuto de longe as conversas das pessoas, fico imaginando o que eu estaria fazendo se eu estivesse boa. Definitivamente não tenho vocação para doente!
Amanhã nada de pilates para mim, não vou conseguir ir preparar as minhas aulas e preciso estar 100% para voltar a trabalhar. E já não vejo a hora para voltar as minhas atividades normais.
Gripe, vírus, ou seja lá quem tu for, vai embora! Já me enchi!
Por que nada tem seu lado só ruim, estou aqui acompanhada de filmes de livros.
A comédia romântica Três Vezes Amor é muito bonitinha. Foge um pouco das tradicionais, pois há um mistério nela, "Ryan Reynolds faz um publicitário em vias do divórcio que relata para sua filha (a excelente Abigail Breslin, de PEQUENA MISS SUNSHINE e SEM RESERVAS) os três marcantes casos de amor da sua vida e desafia a menina a descobrir qual deles se tornaria sua mãe". E tenho que terminar de assistir Entre os Muros da Escola (o problema é que a gripe e os remédios me dão sono e eu acabo dormindo no meio dos filmes), filme francês, baseado em um livro de François Bégaudeau, no qual ele relata sua experiência como professor de Francês em uma escola de ensino médio na periferia de Paris, o filme é bem diferente, pois há muito dialógo nele, quase todos dentro da sala de aula, interessante para é ligado a área da educação, pois não há como não fazer algumas comparações.

Terminei de ler o Dez (quase) amores de Claudia Tajes, que ganhei de aniversário, e o achei muito divertido. É um daqueles que faz as pessoas rir mesmo. Trocando um pouco de gênero, comecei a ler Leite Derramado, do Chico Buarque, das primeiras páginas eu já gostei.
Saiu no Diário Popular de hoje a reportagem sobre adoção. Muito legal, pois acho que é algo que tem que ser bastante divulgado.

Bom início de semana para todos!

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Filhos do Paraiso

Acabei de assistir "Filhos do Paraíso" e fazia tempos que eu não via um filme tão bonito. Nunca tinha assistido nada do cinema iraniano e adorei!

A história é simples, a produção não possui muitos recursos, mas o enredo, que começa com a perda de um sapato, é ótimo e as cenas são bem tocantes. Inegável a qualidade dele.

O filme além de ser leve e bonito, mostra a desigualdade social do Irã e passa inúmeras mensagens e lições de vida.

Conceitos como família, irmandade, amizade, são bem abordados no decorrer da história.
As crianças que fazem os personagens principais são uns amores e ótimos atores, pois há muitas cenas em que eles precisam passar muita emoção, o que ocorre com naturalidade.
"Ali é uma criança pobre que apesar de ter apenas 9 anos, mal pode brincar porque já é obrigado pelo pai a trabalhar para ajudar à família, mas sem abandonar a escola, que aliás é um dos melhores alunos. Tudo se complica quando Ali perde os sapatos da irmã, Zahra, que estavam sendo restaurados e pede a ela para não contar aos pais. Ambos passam a dividir o tênis de Ali para irem à escola, resultando numa série de percalços e aventuras".

Com esse filme, pela primeira vez, o Irã conseguiu uma indicação ao Oscar por melhor filme estrangeiro.

Recomendo!

sábado, 20 de junho de 2009

Sábado de sol!

É incrível como um dia de sol no meio do inverno faz com que as pessoas saiam de casa, o Laranjal estava muito movimentado para uma tarde de sábado de junho. Acho que as pessoas, depois de vários finais de semana dentro da "toca", se aquecendo, quiseram pegar um solzinho. Não adianta, por mais que o inverno tenha seu charme, ele é um pouco mais depressivo, basta um calorzinho e um sol aparecer que tudo fica mais alegre.

Eu também aproveitei o sol para tomar um mate com a Laurinha no Laranjal, depois de muito papo, tiramos umas fotos aproveitando a linda cor do pôr-do-sol de hoje.


Estou com a camiseta da Filhos do Sol nas fotos, pois hoje, depois do ensaio, fomos na Fenadoce aonde a banda participou do Jornal da Nativa ao Vivo. Os convites estão aumentando dia-a-dia, pois estão fazendo sucesso os meninos.
Na ida a Feira, hoje ao meio dia, percebi que, pela manhã, mesmo sendo final de semana , ela é tranquila, então se alguém tiver que se aventurar a ir lá amanhã, que é o último dia, aconselho que vá pela manhã, pois acho que deve dar para curtir tudo com calma.
Já ia me esquecendo de dar os créditos das fotos, conforme a "fotógrafa" pediu. As minhas fotos foram batidas pela Laura, que hoje só queria que eu ficasse posando e ela clicando.

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Hoje é sexta-feira!

A semana voou! Coisa boa, mais um final de semana chegando.

Minha semana foi boa, na segunda fui comer pizza, já que era o dia mesmo do meu aniversário, na terça ainda teve um bolo surpresa na escola para mim. Na quarta dei uma entrevista para o DP para uma matéria sobre adoção, que deve sair nessa final de semana.

Falando em adoção, a família hoje ganhou um novo membro, a Dama. A princípio minha mãe saiu para comprar uma Dálmata, mas depois decidiu ao invés de pagar para ter um cão, ajudar um. E pegou a Dama que estava para “adoção”. Ela é muito espertinha!
E por falar em esperteza, meus alunos estão cada vez mais espertinhos e engraçados.

Nessa semana perguntamos aonde moravam as sereias e ao invés de dizerem que moram no mar, rapidamente um disse:

- Elas não passam de folclore (o menino só tem quatro anos, e tem um vocabulário fantástico).
Mas os outros também entenderam o que o colega disse e ficaram conversando sobre isso, precisam ver a conversa, não parecia de crianças de três e quatro anos.
No decorrer da conversa um disse:
- Tá, mas dinossauros existiam!
E eu disse que sim, que ele estava certo, e ai ele completou:
- Meu pai já matou um.
Ai, o mesmo menino que utilizou a palavra Folclore, disse:
- Só se ele for um homem das cavernas.

Nessas horas dá vontade de ter filmado a cena.

Além de espertos, eles sempre “soltam” alguma coisa engraçada. Hoje eu revisando as cores com um aluno, disse que a blusa dele era “yellow”, e ele para mim:
- Não é yellow, é maionese (ele queria dizer mostarda!).

Bom final de semana para todos!

terça-feira, 16 de junho de 2009

Aniversário!

Coisa bem boa fazer aniversário!

Sempre gostei da sensação de ter um dia meu. Claro que, com o passar dos anos, com os aniversários parecendo que estão cada vez mais próximos uns do outros, sempre penso, “ai, nossa, mais um ano”. Porém, sabendo que eles estão sendo aproveitados, e estou tendo muitos ganhos com eles, isso não passa de um rápido pensamento, que logo se transforma num “o que eu quero fazer nos meus 27 anos”.
Com o avançar dos anos pude perceber como a idéia que a gente tem de idade e tempo vai se transformando com o passar do tempo. Os parâmetros mudam muito. Ainda bem que o ser humano tem essa capacidade de adaptação com relação aos “anos de vida” e a visão que temos quando somos mais jovens é bem diferente da que ficamos quando atingimos a idade.
Quero aproveitar a oportunidade para agradecer por todas as palavras, todas as surpresas, todos os abraços, todos os presentes, todos os deslocamentos intermunicipais para me verem, ou seja, por todo o carinho que recebi nessa data. Cada mensagem, cada ligação, cada felicitação, foi importante, e o conjunto delas fez com que meus últimos dias fossem especiais (falo em dias, porque, os que já me conhecem sabem e chamam meus aniversários de Kerb, pois as comemorações começam dias antes).
Adorei o post sobre o meu aniversário no blog da Ana (Roccana): http://roccana2.blogspot.com/2009/06/aniversario-da-clarissa.html, assim como adorei os presentes, o churrasco, a pizza, o bolo hoje na escola.
Todo esse conjunto de coisas me fez entrar os 27 anos bem entusiasmada e feliz!
PS: vocês se lembram que no post sobre o show da Rita Lee reclamei da minha máquina? Não tenho mais motivo para isso. Ganhei uma máquina nova dos meus pais, muito bonitinha e boa! Agora, com certeza, o blog terá fotos de melhor qualidade.

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Vacas, Ursos e Formigas

Não sei se é uma tendência ou o quê, mas a arte está sendo expressada em alguns lugares do mundo através de bonecos de animais.
Com o objetivo de comemorar algo em especial, em algumas cidades do mundo, há confecção e exposição de algumas espécies deles.
Em Madrid são vacas:
Em Montevideo, ursos:

E em Pelotas formigas:


Independente do tipo de animal e do local, eles chamam muito a atenção das pessoas e dão "um toque" alegre à cidade, proporcionando momentos de descontração.

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Sobre as novas regras ortográficas

Me dei conta que estou fazendo uma misturança das regras gramaticais aqui no blog. A utilização do novo regramento (proveniente do Acordo Ortográfico) é facultativa até 2012, mas se deve optar por usa-lo ou não, e não ficar fazendo o que estou fazendo, utilizando algumas regras novas e antigas. O problema é que ainda não estou acostumada com todas as novidades e que o Word fica “corrigindo” de acordo com o regramento antigo, tentarei ir me adequando a ele.
No post do dia 08 de junho utilizei os vocábulos heróis e heroico, já de acordo com as novas regras, que determinam que some o acento dos ditongos abertos éi e ói das palavras paroxítonas (as que têm a penúltima sílaba mais forte), como é o caso da palavra HEROICO, mas que nos casos como nos de Herói, papéis, troféu deve ser mantido o acento (porque têm a última sílaba mais forte), então sob a nova regra “herói” continua recebendo, enquanto heroico não.

terça-feira, 9 de junho de 2009

Filhos do Sol na Fenadoce

Estava me segurando para não contar como foi o show da Fenadoce até que tivesse imagens para mostrar. Os guris tocaram bem direitinho, o público foi bem gentil e animado. Passado o nervosismo os guris relaxaram e curtiram a apresentação e a tarde na Feira. Alguns deles tiveram a oportunidade de conhece-la naquela tarde, pois nunca tinham ido nela antes.
As fotos estão datadas erroneamente como podem notar, pois foram tiradas no próprio sábado durante a apresentação:




Para que vocês tenham noção da qualidade musical que os Filhos do Sol estão adquirindo com o passar do tempo, aqui vai uma filmagem curta da música preferida deles (e é mesmo, como gostam dela). Nunca vou me esquecer que no primeiro dia que os meninos tiveram contato com os instrumentos, mesmo sem jeito, tocaram o "Brasileiro" bem direitinho. Eles estão crescendo musicalmente, mas nunca escuto eles tocando essa música sem me lembrar da primeira vez.


video

Já disse por aqui que estou aprendendo muito com eles e de várias maneiras. Hoje canto mais, dou menos importância para pequenos problemas, além de estar aprendendo a ser uma pessoa diferente. Olhem a lição que eu tive nesta tarde:

Os meninos ganharam o seu primeiro cachê. Dez reais cada um. E estavam planejando o que fazer com o dinheiro. Um deles, que já tinha espiado o Fliperama na passada, veio me falando todo seguro: - Com esse dinheiro vou ganhar um MP4, pois em uma máquina tem um quase caindo.
Eu comecei a dar um discurso para ele, dizer que era melhor ele guardar o dinheiro para alguma outra coisa, pois esses jogos são difíceis de ganhar, além de muitos deles serem programados para ninguém ganhar ou prenderem muito os prêmios para eles não “caírem” nunca. Fiquei um tempão nessa, dizendo que não era para ele jogar, e ele só me dizia: “Mas eu vou ganhar”. E eu sempre dizendo, é muito difícil, não gasta o teu dinheiro.
E ele é esperto, sabia que o prêmio estava próximo de “cair”. Passou a apresentação, os guris fizeram compras e ele continuava sem gastar o dinheiro dele. Não é que perto da hora da saída, entram todos os guris na Praça de Alimentação comemorando, porque ele tinha ganhado o MP4. Precisavam ver a felicidade dele, que me disse: - Viu, te disse que ia conseguir!
Ainda bem que ele não me ouviu, ainda bem que seguiu com as convicções dele. Logo eu que não sou de fazer as pessoas deixarem de acreditar em seus sonhos ou desencorajá-las estava agindo dessa forma. Lição da tarde: sonhos se realizam, mas temos que investir neles, mesmo havendo riscos.

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Heróis x vilões

Quanto mais observamos e descobrimos tudo o que acontece ou aconteceu em nosso redor, mais nos damos contas que vilões não são seres do imaginário popular e que só existem na imaginação ou nos contos de fadas, desenhos animados e filmes. Eles estão por toda a parte e realizam as mais diversas condutas: desviam verbas, doações, matam inocentes, abusam de crianças, não respeitam a natureza, não possuem ética, violentam quem estiver por perto, se valem do poder que possuem para maltratar, entre tantas outras coisas.

É triste cada vez ter mais certeza que eles existem e em grande número. E o pior é que grande parte da sociedade ainda não se deu conta da existência de muitos deles e quando se dão, não se esforçam para se organizar para combaté-los.

Existem as autoridades públicas que possuem o dever de combate-los, mas que com certeza sozinhos não terão meios ou conhecimento para tanto. É fácil todo mundo reclamar que os filhos dos vizinhos estão mal cuidados, não vão a escola, porém dificil alguém cumprir seu dever de cidadão e denunciar.

Porém, no meio desse "caos" todo, ainda há pontos de luz, pois existem "heróis" que da sua forma, tentam fazer a diferença e muitas vezes conseguem.

Ontem conheci a história de um desses heróis, o vídeo não muito curto, é uma matéria do Fantástico, mas a achei ideal para ilustrar a existência de grandes heróis que vivem por ai, sem nem ao menos a gente saber. E o principal, nos faz ver que qualquer um de nós pode ter atos heroicos na vida, basta a gente não ficar olhando para as "loucuras do mundo" achando que elas são normais e continuar estáticos.

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Mais uma vez: Filhos do Sol!

Ontem em plena reunião sobre outro assunto que não a banda, surgiu o assunto Filhos do Sol e alguém se manisfestou:
- A Clarissa é a mais tiete da banda.
E eu, claro, respondi que sou mesmo. Todo mundo acaba gostando deles, pois estão fazendo um som legal, além de serem uns amores. Imagina eu que participei da seleção, acompanho ensaio por ensaio, o dia-a-dia deles, o crescimento, os problemas e as dificuldades de todos. Não tem como eu não me emocionar eu vendo eles no palco, confiantes e crescendo, como músicos, mas, principalmente, como cidadãos.

Aqui vão algumas fotinhos deles, nos ensaios e em algumas apresentações:

Aproveito para reforçar o convite, do próximo show dos meninos:

Dia: 06/06/09 (amanhã)
Hora: 15:00 hs
Local: palco da praça de alimentação da Fenadoce

Vale a pena conferir, eu garanto!

quinta-feira, 4 de junho de 2009

O prazer das palavras

Gosto de saber as origens das palavras. Fico imaginando o porquê do nome de cada coisa. Então, estou me divertindo com o livro O prazer das palavras 2, de Cláudio Moreno, que além de trazer etimologias, explica eufemismos, estrangeirismos e outros fenômenos da linguísticos.

O livro fala da importância de sabermos as origens das palavras e traz algumas delas, bem interessantes, mas também fala que para convivermos com elas não podemos nos deter simplesmente as suas origens, pois muitas delas acabam tendo seu significado “alargado” com o passar do tempo.

Achei bem interessante o que acabei de ler e aqui vai um trecho:

“O fato de embarcar ter vindo de barco é ‘esquecido’, deixa de ser registrado, deixa de estar presente na nossa mente, e ficamos inteiramente à vontade para dizer que embarcamos em avião, em metrô, em ônibus espacial e até numa fria, sem precisar criar verbos especiais para cada caso (...) Nossa lógica não se sente ofendida quando falamos em azulejos de várias cores além do azul, de um acidente com alpinistas nos Andes (bem longe dos Alpes), de anilinas que não tem a cor do anil, ou de uma emboscada no deserto, a milhas do bosque mais próximo”(pg. 25).

Sempre é bom aprendermos mais um pouco.

terça-feira, 2 de junho de 2009

“Colcha de retalhos”

Na dúvida sobre qual tema abordar na postagem de hoje, aqui vai um apanhado de assuntos.

Quanto ao mais comentado deles, o acidente com o avião da Air France, já soube de gente desistindo de viajar nos próximos dias por causa dele, o que acho um exagero. Está certo que foi uma tragédia, mas não há motivo para tanto radicalismo. Aviões de tempos em tempos caem, sofrem acidente, mas numa proporção bem menor do que acidentes de carro, por exemplo. Diariamente saem centenas de vôos do Brasil, e de quanto em quanto tempo há uma tragédia? Corremos risco todos os dias ao acordar, e o risco que corremos ao pegar um avião é pequeno, ainda mais considerando os benefícios que uma viagem no exterior traz.

Porém, deixo aqui minhas condolências aos familiares e amigos das vítimas, pois imagino a imensa dor de todos com uma perda tão brutal e ainda não explicada.

Vi nesse final de semana o filme brasileiro Dom, com Marcos Palmeira e Maria Fernanda Cândido, não é um lançamento, é de 2003, e o achei bem interessante. Não li ainda o tão comentado Dom Casmurro, de Machado de Assis, mas já ouvi falar muito da obra. No filme “Bento (Marcos Palmeira) é um homem cujos pais, apreciadores de Machado de Assis, resolveram batizá-lo com este nome em homenagem ao personagem homônimo do livro 'Dom Casmurro'. Tantas vezes foi justificada a razão da homenagem que Bento cresceu com a idéia fixa de que seria o próprio personagem e destinado a viver, exatamente, aquela história”.

Em Pelotas, as docerias e vários comerciantes estão trabalhando muito essa semana, pois a Fenadoce começa amanhã. Estou louca para ir conferir as novidades da Feira. Uma delas (já aproveitando para fazer propaganda), será o show da Banda Filhos do Sol.

Já comentei sobre eles aqui, essa é a banda formada pelos meninos dos abrigos que participam do nosso Projeto um Futuro com Arte. Os guris estão cada dia tocando melhor, e nesse sábado, dia 06 de junho, as 15:00 horas, vamos tocar no palco da praça de alimentação. Deixo aqui o convite para todos que quiserem ver o show, conhecer o projeto e já a informação que vale muito a pena ir, pois com certeza irão gostar.

E enfim, parece que o inverno chegou mesmo. Não sou muito de inverno, mas não posso deixar de achar que ele traz algumas coisas boas. Cheguei em casa agora à tardinha e acendi a lareira, estou quase dentro dela e a tarde aproveitei para tomar o melhor chocolate quente da cidade, na minha opinião, que é o do Fórum. Hmmm! O problema é dar um jeito de não engordar no inverno, com frio, Fenadoce, lareira, filmes, chocolate quente...